O PNG impulsará um plano integral de proteção da paisagem galega como elemento de identidade nacional, vigiando especialmente todos aqueles elementos que pola sua significação simbólica representem um valor de especial proteção não só a nível ecológico mas também a nível social e histórico. Nesta sensibilização pola paisagem, impulsaremos um caminho da costa galega que tenha um percurso ecológico integral. Também impulsaremos políticas de desenvolvimento do bosque atlântico e a potenciação das espécies autóctones como elementos geradores de riqueza, seguindo modelos como o de Finlândia. Por sua vez, criaremos uma rede nacional galega de parques naturais ampliando notavelmente o número de parques e a superfície actual de áreas protegidas.

O Peneguê legislará para que os projectos de geração de energias alternativas e renováveis tenham em conta e respeitem as características naturais do País e, em todo o caso, paralisar e proibir todo o tipo de iniciativa empresarial puramente extractiva que implique maiores danos que benefícios para o interesse geral da Galiza e que poda afectar negativamente a população da área, o ambiente, o território ou a paisagem.

No desenvolvimento duma política nacional de resíduos moderna que remate co descontrole actual, o PNG apostará de forma decidida pela reciclagem, a punição fiscal dos produtos com envases supérfluos e aplicará o modelo de cobro por garrafas e recuperação desse dinheiro por levá-los ao supermercado, aplicando os sistemas que já funcionam em numerosos países europeus, como a Alemanha ou Dinamarca. Sogama será reorientada para evitar a acumulação das montanhas de resíduos urbanos que há actualmente na comarca de Ordes. A educação ambiental será um elemento central das políticas educativas a desenvolver com crianças e com pessoas adultas.

O Peneguê procurará que se implemente um autêntico sistema de prevenção de riscos de verquidos no mar, para evitar um novo Prestige, pois não se têm levado a cabo ainda a dia de hoje todas as medidas necessárias. Reclamará ao governo espanhol a gestão integral de todos os parques, rios e barragens presentes no território galego. No caso de zonas partilhadas com outras zonas do Estado espanhol, procurará-se uma cogestão consensual, quer com outros governos territoriais, quer com o governo do Estado.

O Peneguê exigirá a atribuição exclusiva das competências de urbanismo para o governo galego após uma dotação adequada retirando-lhe estas aos concelhos polo descontrole existente. Desenhará-se uma ordenação racional do território tentando promover os usos económicos mais adequados para cada tipo de terreno ou zona geográfica, nomeadamente as costas e as montanhas.

Impulsará-se o turismo verde e o turismo de costa através de entidades como a Marca Galiza.

Quanto ao bem-estar e os direitos dos animais, proibiremos totalmente a celebração de touradas e o endurecimento das penas mediante a aprovação de leis contra o maltrato animal, dotando de meios uma Polícia Ambiental orientada a perseguir o maltrato animal, os pirómanos, os vertidos descontrolados, a poluição industrial e os delitos ecológicos em geral.

Exigiremos que os proprietários tenham os montes limpos, e quando não o fizerem, serão os concelhos os encarregados dessas tarefas de limpeza cobrando os serviços aos proprietários correspondentes. Em caso de não pagarem, haverá uma coima que poderá mesmo nos casos mais graves de não pagamento supor a expropriação de fincas polo valor da multa.

Elaborará-se uma nova regulação da caça mais estrita e pormenorizada. Os coutos de caça serão em terrenos privados e estará proibida a caça em espaços públicos, salvo o caso de batidas pontuais e controladas por funcionários públicos nos casos de perigo para a cidadania como podem ser os javalis. Aceleraram-se as indemnizações aos proprietários de gado por ataques dos lobos.

Haverá um controle da administração das mascotes, com fiscalização periódica dos cães e gatos para comprovar que todos têm chip. No caso de não terem, estabelecerá-se um sistema de coimas fortes por cada cão, gato ou mascote sem registo. A Polícia Ambiental especializada será encomendada para velar também polo bem-estar de animais em granjas de produção industrial e outros âmbitos. O PNG desenvolverá uma legislação mais avançada nesse âmbito seguindo as últimas tendências a nível europeu.

Reforço e maior financiamento público dos canis e garantias de estabilidade laboral para os seus empregados. Desgravação no IRPF da cidadania com a apresentação das facturas das despesas feitas no cuidado dos animais como mascotes, tanto pola alimentação e medicinas como pola atenção veterinária por revisões ou atenção médica. Os valores e conteúdos relativos aos direitos e bem-estar animal serão também incluídos nos currículos escolares dos jovens e na educação de adultos.